A culpa não é da China?

Crônica Luciano Luiz

23/03/2020  

Milhares de pessoas estão morrendo diariamente pelo mundo e o que se notícia?

Onde tudo isso começou? Quem foram os responsáveis?

Em que lugar do mundo se localiza o mercado de Wuhan?

Qual país que possui um lixo de lugar onde pessoas comercializam e comem animais sem nenhum critério ou conceitos de higiene?

Sim, foi a China e seu regime fechado, obscuro, ditador e podre que é responsável por todas as mortes que estão ocorrendo no planeta.

Um país condenado a sua grandeza territorial e populacional onde um líder escondido atrás de sua ditadura mata e elimina pessoas como baratas em becos dos mais sujos guetos.

Uma nação que se cala diante do medo de uma cultura bélica e sempre apontada para todos que a desafiam.

E o que mais me deixa revoltado enquanto jornalista são os princípios de alguns companheiros de profissão quanto a magnitude do problema e as consequências que ele trará para a humanidade em um tempo que ninguém ainda pode prospectar quanto. 2020 pode estar já nulo para muitos setores mas a raça humana corre esse mesmo risco se a coisa não for vista com a seriedade a qual carece.

Posts, likes, críticas, panelaços fakes e textões são feitos diariamente por conta da forma rude a qual o presidente do Brasil reage diante de alguns jornalistas, mas nada se houve por exemplo em relação ao colega de profissão Chen Qiushi, jornalista que viajou de forma independente para o epicentro do problema na China e começou a denunciar as péssimas ações de combate a propagação do COVID – 19 e esta desaparecido desde o dia 06 de fevereiro.

Cadê a união dessa classe que bate palma para uma menina mimada criada no primeiro mundo e segue sem se importar com a vida de tantas crianças que são submetidas a serviços em regime de escravidão em fábricas neste mesmo país “capitalista”.

A política é a forma mais racional para diluir as consequências e cobrar dos responsáveis os seus desequilibrados atos. E quando digo atos desequilibrados não estou querendo dizer o manuseio equivocado na colocação de uma máscara de higiene ou mesmo uma expressão metafórica diante de um cenário onde a pessoa tenha vivido dias em uma UTI entre a vida e a morte após um atentado que também segue sem resposta e o principal, sem o questionamento dos motivos por parte da tão “investigativa” imprensa.

É difícil para eu escrever isso pois me orgulho muito de fazer parte desta classe mas não consigo ver os meus próprios interesses comercias acima do bem comum, mesmo que é sim uma preocupação grande os meus vencimentos particulares, porém são diluídos em sabedoria, criatividade e trabalho na conduta e ética do meu caráter.

A China precisa ser cobrada sim. Precisa pagar muito caro por esse dano e os grandes líderes mundiais precisam ter coragem para se impor neste momento.

Evidente que o comércio internacional e a movimentação de importação e exportação junto aos chineses é representativa para o Brasil e boa parte dos países, mas isso não pode fazer do planeta um refém desse sistema que socializa somente opressão e miséria.

A democracia não pode ser colocada em cheque diante de uma promessa ou ameaça de colapso financeiro. As necessidades são mútuas e a paz dos moradores da terra são absolutamente mais relevantes que ricos pedidos e preços expressivos.

Burro, despreparado e boçal é aquele que fica olhando e replicando a manobra de líderes que operam suas grandes forças de audiência em busca de uma reconquista de atos criminosos, repletos de corrupção e complacência pública.

Política tem em sua descrição e formação didática a composição de seus conceitos ligada diretamente a condução de exercer ao próximo a gestão de algo. São inúmeras definições que passam do surgimento junto aos gregos até a polarização quase que irracional dos dias de hoje, passeando por Aristóteles e Maquiavel em teses e estudos.

Mas o significado que me prende em minhas reflexões é o “poder”, poder este que independe de um mandatário ou sistema governamental mas também o poder de suas consequências e impactos diante da sociedade.

E por este “poder” a imposição se faz necessária para a obtenção da ordem. A designação não pode ser arbitrária pois demanda de ações de cunho absolutamente sociais.

Muito mais que utilizarmos os escassos esforços para criticar uma operação que o mundo reverencia, deveríamos nos ater em acusar os reais assassinos cruéis e covardes que viraram as costas para o médico Li Wenliang, que morreu em um hospital com o título moral do governo chinês de ser um traidor da pátria, já que o mesmo cometeu o crime de denunciar o vírus e sua amplitude epidemiológica.

Não sabemos o tamanho real que esse problema vai alcançar mas sabemos sim a causa de tudo isso e não acho honesto nos furtamos em falar.


Top